Ela fatiou Damien Hirst

 

"Art Victims: Damien Hirst", de Noriko Ambe: cortes feitos no catálogo do artista britânico formam um tríptico, como nas famosas vitrines do tubarão fatiado

 

 

O tubarão de Damien Hirst, de 1992

 

O inglês Damien Hirst se transformou no ponta-de-lança dos Young British Artists  e da “geração Saatchi” ao fatiar um tubarão, e colocá-lo em uma vitrine de formol em The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living, de 1992.  Polêmico, o trabalho virou um símbolo da arte feita nos últimos anos do século 20 e também em síntese das relações entre marketing, artistas e mercado. Hirst, que cortou outros animais – vaca, carneiro, zebra – agora foi fatiado pela artista japonesa Noriko Ambe.

A artista, de 43 anos, se prepara para expor nos Estados Unidos e na Inglaterra sua série de trabalhos feita a partir de livros de outros artistas, em que faz cortes nas páginas buscando uma aproximação com os colegas citados/homenageados.  O catálogo de Hirst no Metropolitan Museum de Nova York, desde 2004 dono de The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living, foi recortado e arranjado num tríptico, à imagem e semelhança do tubarão e sua vitrine.

Noriko tem predileção por publicações e arquivos. Abaixo, você vê mais dois trabalhos feitos a partir de livros de artistas: Giacometti e Gerhard Richter.

 

"In the studio: Giacometti": corte no catálogo homônimo do artista lembra suas esculturas

 

 

"Current–A Private Atlas : Gerhard Richter", em que Noriko corta "Atlas", livro de Richter

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s