Moacyr Scliar por Schwarcz

Quem já viu o editor Luiz Schwarcz em ação sabe que ele é muito eficiente na hora de conquistar um novo autor para sua editora, a Companhia das Letras. Mas tem uma competência ainda maior para mantê-lo na casa. Faz parte do negócio, é claro, mas no caso de Schwarcz é também uma habilidade natural, enraizada no imenso afeto que acaba desenvolvendo pela maioria de seus escritores.

Alguém que sabe se relacionar geralmente sabe se despedir. Por isso vale a pena ler os dois posts que o editor publicou em seu blog sobre o gaúcho Moacyr Scliar, que morreu ontem, em Porto Alegre, e do qual também lembramos aqui.

No primeiro texto, Schwarcz escreve logo depois de saber que o escritor sofreu um AVC e luta para sobreviver. No outro, é obrigado a dizer adeus. Basta clicar nos títulos para lê-los:

Moacyr Scliar, minha segunda mãe

O final da história

+++

Para entender o estilo de Schwarcz é preciso saber que a escola do fundador da Companhia das Letras vem de outra geração, que teve editores-cavalheiros como Jorge Zahar, Ênio Silveira e Fernando Gasparian.

Na 1a Flip, em 2003, vi Schwarcz sair de seu lugar na plateia para limpar a testa suada do historiador Eric Hobsbaum com um lenço. Em uma Bienal do Rio, também testemunhei seu esforço para entreter Salman Rushdie durante uma festa lotada no Parque Lage, onde não havia muito a fazer a não ser beber espumante e jogar conversa fora. Um colóquio depois de litros de borbulhas e sem tradução simultânea pode não fazer muito sentido. Postado ao lado do autor de Versos satânicos e Os filhos da meia-noite durante todo o evento, Schwarcz foi meio zagueiro, meio guarda-costas, meio filtro, sempre sorrindo. Evitou que Mr. Rushdie – um sujeito que é tão simpático quanto assediado – saísse dali com má impressão dos brasileiros logo na sua primeira visita ao país.

+++

Na série vale a pena ler de novo, o texto com que Schwarcz se despediu de outro autor-amigo, o português José Saramago:

Saudade não tem remédio

+++ +++

A foto que ilustra este post foi tirada por Beto Scliar.

One thought on “Moacyr Scliar por Schwarcz

  1. Prezada Daniela Name,

    cheguei aqui por afinidade com a Literatura, ninguém indicou-me esta sua casa elegante – pela qual parabenizo-a.

    Bom, a Companhia das Letras é mesmo uma editora de muita classe, e imagino que o elã natural do editor Sr. Schwarcz – o qual não conheço pessoalmente – contribui bastante para o sucesso da mesma.

    Quanto ao escritor e médico Moacyr Scliar, falecido há três dias, ele é um dos raros aos quais eu chamo de grande escritor.

    Felicidades.
    Darlan M. Cunha

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s