Zerbini, “Amor”

Um dos maiores pintores brasileiros inaugura exposição hoje no MAM.

Luiz Zerbini é um dos pilares de uma geração de afetos, que transformou a pintura numa teia de referências autobiográficas. A obra destes artistas que despontaram no início dos anos 1980 entrou para a história  com uma série de rótulos e pouca análise profunda. O tempo, este senhor tão bonito, e uma série de estudos recentes vêm mostrando que mais do que a etiqueta de “Geração 80”,   a herança que ficou daquele período talvez tenha sido a pergunta “Como vai você?”, com tudo o que ela pode conter de subjetividade, camaradagem e festa íntima.

Zerbini  é pintor de  uma paisagem simbólica, formada por amigos, paixões, referências, as coisas das quais ele gosta. Ao longo dos anos foi criando uma pintura quase invisível, no melhor e mais profundo dos sentidos. Retratou seus contemporâneos, mas também levou imagens, a atmosfera e algum raciocínio do trabalho de artistas como Daniel Senise, Beatriz Milhazes, Barrão e Angelo Venosa para dentro de sua obra. Ao fazer isso, usa de muita perícia para se diluir como autor em um rio de afetos.

Por estas e outras estou tão ansiosa para ficar diante do espelho do “Amor”.

Até mais tarde.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s