A Bienal como alimento

Tenho escrito pouco aqui porque migrei meus artigos e críticas para a Revista Caju (clique aqui para acessar o site), projeto colaborativo on-line sobre cultura, arte, pensamento e criatividade. Estreei hoje lá uma coluna de crítica de arte, em que analiso o trabalho Restauro, de Jorge Menna Barreto, para a 32a Bienal de Arte de São Paulo. Através dele, também comento a Incerteza viva proposta pelos curadores da exposição. O texto na íntegra está abaixo.

+++

restauro4
Vista de “Restauro” na Bienal. Foto de Raul Leal

Restauro, o restaurante montado pelo artista Jorge Menna Barreto na 32a Bienal de São Paulo, talvez seja o trabalho mais radical e potente da Incerteza viva, tema proposto por Jochen Voz e os curadores associados da exposição.

A alta voltagem da obra vem de sua capacidade de diluição e de infiltração, e a distinção do restaurante é sua capacidade de servir. Menna Barreto e sua equipe passaram os três meses da Bienal na cozinha e no balcão, oferecendo ao público porções generosas daquilo em que mais acreditam: comida vegana saborosa, aromática e bonita, em três refeições diárias, a preços confortáveis. Pode parecer contraditório, e talvez o bom é que seja, já que a contradição também é alteridade, mas Restauro é contundente por seu silêncio e sua quase invisibilidade.

Não há nenhum ponto para café, petiscos ou refeições dentro do prédio da Bienal e, além do público, toda a equipe do projeto (curadores, arquitetos, mediadores) é convidada a, mais do que comer, se alimentar ali. O esquema de bandejão e as mesas coletivas reforçam a ideia de comunhão oferecida pela comida. Também posicionado no prédio como uma espécie de praça para encontros, contemplação ou observação, Restauro tira do nome que deu origem à palavra “restaurante” a possibilidade de se transformar no impulso para um novo ciclo – da exposição, de cada visitante que se transforma em comensal. Estar aberta(o) ao cardápio-surpresa, que nunca se repete, foi a mais reconfortante das incertezas.

“DESLEITURAS”, projeto que começou em 2011

É um trabalho significativo para a trajetória de Menna Barreto, que com ele dá giros a mais na espiral de suas inquietações.  Desde o início, sua produção tem relação profunda com a palavra e com o site specific, como mostram os seminais  Con fio (1998) e Massa (2000),  e ainda Metabólide  (2010) e os tapetes-verbetes  de Desleituras (2011).

JORGE MENNA Barreto toma um
JORGE MENNA Barreto toma um “Suco específico”. Imagem do site do artista

Em 2007, o artista apresentou a primeira versão do Café Educativo, trabalho que condensa as possibilidades de interação com o espaço expositivo e com o público com o entendimento da comida como algo que pode ser político e transformador. Desde sua primeira montagem, o Café já teve várias configurações, mas permanece sempre a função de ser um ponto de apoio para os mediadores da mostra da qual faz parte e também um lugar de pausa e de troca para o público, através da degustação de um simples café ou mesmo de um suco específico. 

A elaboração deste outro projeto, que começou em 2014, amplia a relação de Menna Barreto com os recursos naturais do lugares em que está expondo. Nos jardins dos museus e instituição e nas áreas próximas, ele recolhe as chamadas Panc (Plantas comestíveis não-convencionais) e com elas cria os Sucos específicos servidos ao público. O espaço do café e as bebidas criam uma relação de simbiose com a exposição e com a arquitetura do lugar em que ela acontece, entrando em um estado de comunhão com o público através do alimento.  Cada visitante, por sua vez, tem a possibilidade de fazer parte, de fato, da obra de arte, ocupando ainda um lugar no “ecossistema” que envolve o museu e seus arredores.

Espelho opaco para a Bienal

Restauro dá outra escala para as raízes plantadas pelo Café Educativo. Isso é nítido não apenas no que diz respeito às dimensões físicas do trabalho quanto em sua duração, mas sobretudo em seu poder simbiótico com o público e com a própria exposição. O restaurante montado no Ibirapuera é o melhor espelho que a Bienal poderia ter, e isso não se dá por sua nitidez, mas justo pelo oposto. Na sua opacidade, Restauro nos permite vivenciar de maneira mais radical o propósito curatorial de Jochen Voz e seus companheiros de jornada. Extremamente político, sem no entanto jamais ser direto ou didático demais, a ocupa-ação é como aquele tipo de muda que insiste em nascer  ao lado de outras teoricamente mais vistosas, se alastrando silenciosamente até dominar o vaso. Uma erva daninha que, como vem ocorrendo nos mais recentes estudos de agricultura, tem sua adaptabilidade usada para combater a fome.

No texto em que apresenta a Incerteza viva no catálogo da Bienal, Jochen Voz cita Marc Fischer para falar do cenário pós-apocalíptico em que vivemos e especificamente de uma “sensação de atraso, de viver após a corrida do ouro”, que é “tão onipresente quanto inconfessa”. Recorrendo também a Cervantes e a seu Dom Quixote, o curador enuncia que a exposição não pretendeu apresentar as lutas inglórias contra todos os moinhos, e sim na perseguição de novas utopias que possam garantir que o cavaleiro andante permaneça em movimento.  A Bienal, escreve ele, pretendeu ser uma “investigação para encontrar o pensamento cosmológico, a inteligência ambiental e coletiva  e a ecologia sistêmica e natural”. É ainda uma jornada em meio a neblina, mas, insiste o curador, a arte sempre trabalhou com o desconhecido, enfrentando paradoxos e se valendo “da incapacidade dos meios existentes para descrever o sistema de que somos parte” para apontar para a desordem, para a dúvida.

Apostar nessa deriva já foi um gesto bastante destemido do grupo de curadores, que optaram por radicalizar a incerteza ao proporem uma Bienal que tem quase dois terços de seus trabalhos comissionados. Isso significa que a exposição foi construída na penumbra, sob forte nevoeiro, com uma aposta mais no caminho do que na chegada. É um risco, mas um risco extremamente louvável.

No resultado visível para o público, a aposta arriscada incorre em certas repetições (um excesso de trabalhos com terra e com referências indígenas, por exemplo) e em escorregadas para o didatismo (é impressionante a quantidade de trabalhos em tópicos ou em formato de painel, organograma ou poster), por outro presenteia o visitante com uma coleção de potências. Eu destacaria neste último grupo o trabalho de Laís Myrrha. As torres totêmicas de Dois pesos, duas medidas resumem nossa história ancestral e nossa economia recente em um único golpe e impressionam por seu enorme poder de síntese, mas também por sua capacidade de comunicação plástica e imagética.

Esta é, aliás, outra virtude desta Bienal: embora não incorra nas armadilhas de uma beleza gratuita, não deixa de se preocupar com a plasticidade, criando âncoras visuais para o visitante em todo o percurso expositivo. Elas garantem empatia e possibilidade de mobilização desses passantes. Isso não ocorria de forma alguma na Bienal anterior, que desperdiçou trabalhos muito potentes em um esgarçamento expositivo sem nenhuma aderência para quem se dispunha a percorrê-lo. Nesta edição, além da organicidade proposta pela curadoria, conta muito para o sucesso dessa jornada mais comunicativa o projeto expositivo do arquiteto Alvaro Razuk e sua equipe, que opta por emular a proposta da curadoria. Discreto, quase imperceptível, usa o mínimo de divisórias e de cenografia, apostando no organicidade e também na sustentabilidade.  Também não briga com o desafiador prédio de Oscar Niemeyer e nem prentende escondê-lo: a arquitetura e a paisagem que entra pela janela estão incorporadas ao projeto.

Eu listaria outros artitstas e obras que valem uma ida ou um retorno ao Ibirapuera, onde a Bienal estará montada até 11 de dezembro: While I speak, While I writeWhile I walk, de Grada Kilomba; Francis Alÿs, sempre ele; Cristiano Lenhardt; Wlademir Dias-Pino; Tracey Rose; Vivian Caccuri; o projeto Vídeo nas aldeias; José Antonio Suárez Londoño e as salas históricas e em homenagem a Victór Grippo; Sonia Andrade e Wilma Martins.

É importante dizer ainda que a Bienal tem mais mulheres do que homens e artistas de todos os continentes, com forte presença da África. Também é importante dizer que o que é importante dizer precisa ser dito, refletido, deglutido, transformado em alimento.  Esta talvez seja a aposta mais bem sucedida da 32a Bienal, que tem em Jorge Menna Barreto um de seus pratos mais cheios.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s