Rumo ao MAC!

Hoje, às 17h, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC) inaugura a exposição “Arquivo Contemporâneo”. Com curadoria de Felipe Scovino, que prepara um livro homônimo, a exposição reúne Adriana Varejão, Anna Bella Geiger, Antonio Dias, Artur Barrio, Cao Guimarães, Carlos Vergara, Chelpa Ferro, Cildo Meireles, Ernesto Neto,  Raul Mourão, Ricardo Basbaum, Tunga e Waltercio Caldas.  O MAC também sedia, no mesmo horário, o lançamento do livro de Fernanda Lopes sobre o Grupo Rex.

Lembrei dos tempos de repórter num bate-papo on line com Scovino sobre a mostra…

“Arquivo contemporâneo” é o mesmo nome de um livro que você está preparando. O que veio primeiro? Como você selecionou os artistas “arquivados” no projeto?

FELIPE SCOVINO: O livro Arquivo Contemporâneo veio primeiro e nasceu da bolsa de estímulo à produção crítica que recebi da Funarte em novembro do ano passado.. É um projeto para a edicao de um livro de entrevistas com artistas visuais brasileiros contemporâneos. Dividi estes artistas em 2 grupos: um, formado por artistas que iniciaram suas trajetórias entre a primeira metade da decada de 60 e a primeira metada da década de 70; e, o outro formado por artistas que tiveram um amadurecimento de seus trabalhos entre a segunda metada dos anos 90 e os anos 2000. São 15 artistas presentes em 13 entrevistas. Penso que já temos uma execerbação de pensamento, teses, artigos, ensaios sobre o neoconcretismo – notadamente HO e LC – e o momento posterior a esse compromisso estético é pouco estudado ou analisado através de diálogos entre esses artistas.

Como a mostra se relaciona com o livro que você vai lançar pela 7 Letras?

SCOVINO: A ideia era coletar depoimentos dos artistas e inserir a escrita/crítica deles como estrutura de pensamento sobre um atravessamento do pensamento da prática artística nos últimos 50 anos. Sair a voz exclusiva do crítico e lançar um diálogo ou conversa entre ele e o artista. A exposição nasceu mediante um convite de Guilherme Bueno, diretor do MAC-Niterói, ao longo do processo do livro. A ideia era usar o acervo da coleção Sattamini para ilustrar o momento que selecionei na escrita do livro. É importante dizer que o livro virou um projeto, porque além da exposição e lançamento no MAC hoje, haverá uma mesa-redonda e um segundo lançamento do livro na Funarte no dia 22 de outubro. Na mesa, além de mim, estarão Paulo Sergio Duarte, Glória Ferreira e Ricardo Basbaum.

Como a ironia, tema de seu trabalho acadêmico, se relaciona com esta exposição?

SCOVINO: Tratei da ironia na minha tese de doutorado. A ironia é uma característica que penso ser muito presente na produção da arte contemporânea mundial. Não devemos confundir ironia e humor. São situações tangenciais mas que habitam cada um delas o seu nicho. Um trabalho como Volátil, de Cildo Meireles, dialoga com o Raul Mourão na articulação de uma ironia sobre a natureza do homem e sua relação com o meio, mas ambas mantêm suas particularidades. Raul está falando do homem urbano, e Cildo de uma visão de mundo global, da quase impossibilidade de lidarmos com o estranho ou o inesperado. Mas note bem, nenhum deles é “brasileiro”, nenhum desses trabalhos há um dado de identidade nacional agregado a prática artística. Esse é outro aspecto que levanto no livro e na exposição: um certo descompromisso, ou mesmo razão, em localizar lugar, identidade e cultura no âmbito das práticas artísticas.

Muitos curadores e artistas acham que o espaço do MAC é desafiador, por causa das janelas panorâmicas do prédio do Niemeyer, a paisagem do Rio que invade o recinto e a circularidade da arquitetura. Como você lidou com isso na exposição?

SCOVINO: A minha maior dificuldade não foi o duelo com a paisagem, mas o pé direito, ou seja, colocar na parede as grandes telas do Vergara. Ocupar o espaço da varanda com esculturas também foi um dilema (porque tenho que pensar na cadeirante, na criança, enfim no tipo de público que frequenta os museus e a sua mobilidade naquele espaço estreito de mobilidade que a varanda do MAC possui). Para ser sincero, até esqueci da Baía…

Como se dão as relações entre os artistas na mostra?

SCOVINO:  Arquivo Contemporâneo é baseado tão somente em diálogos: não queria traçar as diferenças entre os artistas, ou melhor, busquei as diferenças de uma forma enviesada para chegar às suas similitudes. Um caso que gosto de citar é o de Anna Bella Geiger (que apesar de começar a carreira nos anos 50 – e portanto estaria fora dos “grupos” que citei – é fundamental para se entender o atravessamento da videoarte no Brasil) e Cao Guimarães: apesar do suporte ser o mesmo, os temas – o corpo, por exemplo – são trabalhados de forma totalmente distinta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s